Início » Todos os posts » Sexualidade » Gravidez na adolescência: conheça os riscos e precauções

Gravidez na adolescência: conheça os riscos e precauções

Compartilhe!
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

A adolescência é uma fase cheia de transformações internas e externas. Um período no qual o corpo e a mente passam por mudanças significativas para a formação do adulto.

Imagine, então, uma gravidez durante tempos tão complexos, e às vezes confusos, nos quais os hormônios estão à flor da pele. Gestação na puberdade tem riscos. Eles incluem:

• Pré-eclâmpsia e eclâmpsia;

A pré-eclâmpsia acontece quando a grávida, após a 20ª semana, tem pressão arterial acima de 140/90 mmHg, além de complicações como excesso de proteína na urina e edema.

O nome pré-eclâmpsia foi dado já que a condição favorece a eclâmpsia, um tipo de convulsão que acontece na gestação e pode ser fatal para a mãe e o bebê.

• Nascimento prematuro do bebê;
• Baixo peso ou subnutrição do recém-nascido;

Uma adolescente com menos de 45 quilos apresenta maiores chances de gerar um bebê pequeno para a idade gestacional.

• Complicações no parto, levando inclusive a um parto cesariano;
• Infecção urinária ou vaginal;
• Aumento da chance de depressão pós-parto e de rejeição ao bebê;
• Se a jovem for obesa, sobe o risco de diabetes e hipertensão arterial durante a gravidez;
• Já uma menina com altura inferior a 1m60cm tem maior probabilidade de ter um quadril pequeno, elevando a chance de trabalho de parto prematuro. Isso também contribui para dar à luz um bebê muito pequeno, por causa do atraso de crescimento intrauterino;
• Anemia;
• Sistema emocional descontrolado;

Além das consequências para a saúde física da mãe e do bebê, a gravidez precoce causa conflitos internos, favorecidos pela insegurança financeira, as responsabilidades e as dificuldades em educar a criança.

Muitas meninas ainda têm que lidar com a falta de apoio material e psicológico do pai do bebê.

Por todos esses motivos, os adolescentes, em especial as jovens futuras mamães, necessitam de cuidado, atenção e suporte de suas famílias.

Foto: Isaúde Bahia/Reprodução
Foto: Isaúde Bahia/Reprodução

Mas o ideal mesmo é prevenir a gravidez durante a puberdade. Saiba como:

• Usar preservativo em todas as relações sexuais, inclusive na primeira;
• Ir à consulta com ginecologista (no caso das meninas) antes de iniciar o contato íntimo com o parceiro;
• Ir ao urologista (meninos) para que ele possa informar como usar corretamente os métodos contraceptivos;
• Ambos devem ir ao médico também para saber como evitar as DSTs, as Doenças Sexualmente Transmissíveis, e tirar dúvidas sobre sexualidade;
• Converse com os seus pais ou adultos de confiança sobre gravidez, como ela acontece e como evitá-la;
• Saiba que só se engravida se o sêmen chegar ao útero da mulher no período fértil dela, geralmente 14 dias antes da menstruação descer.
• Entenda que método 100% seguro de prevenir uma gestação, precoce ou não, não existe. O único jeito completamente seguro é não fazer sexo;
• Camisinha precisa ser trocada a cada ejaculação;
• Pílula anticoncepcional só funciona se tomada da maneira correta, com orientação do ginecologista;
• Espermicida deve ser aplicado na vagina antes do contato íntimo e sempre usado em conjunto com a camisinha;
• Diafragma é outro método contraceptivo que deve ser utilizado com acompanhamento médico;
• Interromper o coito (tirar o pênis da vagina antes da ejaculação) não é uma forma segura de evitar a gravidez;
• Tabelinha é extremamente falha como forma de prevenção de gestação, ou melhor, ela funciona bem para quem deseja engravidar;
• A camisinha é um dos melhores métodos anticoncepcionais, pois é a única que evita a gravidez e ainda protege contra doenças como hepatite, AIDS e sífilis, por exemplo. E ela é oferecida gratuitamente nos postos de saúde;
• A pílula do dia seguinte é um recurso de emergência, que só deve ser utilizado quando houver rompimento do preservativo ou em caso de abuso sexual. Além de desregular completamente os hormônios femininos, ela pode perder o efeito se tomada após 72 horas da relação.

Ficar grávida em plena adolescência é arriscado tanto para a jovem mãe quanto para seu bebê. O corpo da menina ainda não está completamente formado para dar conta da maternidade. Fora isso, o sistema emocional fica muito abalado. Previna-se!

Até breve com mais conteúdo!


Compartilhe!
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Fazer comentário

Clique aqui para postar um comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *