Início » Doenças » Corrimento vaginal: Saiba identificar quando algo está fora do normal

Corrimento vaginal: Saiba identificar quando algo está fora do normal

Compartilhe!
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Existem diversos tipos de corrimentos. Dependendo da cor, odor e textura da secreção, é possível identificar quando algo está fora do normal na saúde feminina. O artigo de hoje pretende ajudar você a interpretar os sinais que o seu corpo dá. Não perca!

Para começar, é interessante entender que corrimento vaginal é o nome dado à secreção de fluidos pela vagina. No entanto, em alguns casos, ele tem origem no colo do útero, e só fica perceptível, portanto, quando sai pelo orifício externo feminino.

Corrimento vaginal

Mas nem todo corrimento é indício de doença ginecológica; existe um tipo chamado de corrimento vaginal fisiológico, que é normal nas mulheres em idade fértil.

É uma secreção resultante da mistura de células mortas, bactérias naturais da flora vaginal e muco. Sua finalidade é manter a região úmida, lubrificada e limpa, dificultando a ocorrência de infecções.

Geralmente, a mulher tem entre 1 e 4 ml de volume diário de corrimento fisiológico. Porém, a quantidade pode variar em função de maior estimulação hormonal, pois é influenciada pelo estrogênio.

Gravidez, uso de certas pílulas anticoncepcionais e a proximidade da ovulação ou da menstruação são alguns exemplos de períodos e situações com mais possibilidade de aumento do corrimento natural.

Para diferenciar o corrimento saudável dos demais, é importante ficar atenta ao seguinte: o aspecto do corrimento fisiológico normalmente é branco, leitoso ou transparente, além de espesso e com odor quase imperceptível.

Quando ele surge, não vem acompanhado por desconfortos ou sintomas tais como ardência, vermelhidão, dor, irritação ou coceira na vagina e/ou vulva (a parte mais externa do órgão reprodutor).

Mas nem sempre uma discreta irritação na vulva é sinal de corrimento anormal. Algumas mulheres apresentam leve alteração mesmo no caso do corrimento fisiológico.

Quando algo está fora do normal?

  • Alergia – lubrificante de preservativo, espermicidas, perfumes, sabonetes ou produtos de higiene íntima são fatores que podem desencadear uma reação alérgica na vulva e/ou vagina, favorecendo o surgimento do corrimento anormal.
  • Atrofia da vagina – depois da menopausa, normalmente acontece a atrofia vaginal. A falta do hormônio estrogênio, que estimula o corrimento fisiológico, provoca ressecamento e afinamento da mucosa.

A atrofia vaginal é uma das responsáveis por inflamações na região, além de corrimento, dor ao urinar e incômodo durante a relação sexual.

  • Candidíase – a Cândida é um fungo que vive normalmente na pele; é parte natural de germes da vagina, e não costuma causar sintomas.

Mas se há alguma mudança nas condições do organismo, a Cândida é multiplicada em excesso, passando a apresentar sintomas.

Por exemplo: quando a mulher está muito estressada, usa antibióticos demais, tem diabetes, baixa imunidade ou sofreu algum trauma.

  • Gonorreia e Clamídia – são doenças sexualmente transmissíveis (DSTs) causadas por bactérias (Neisseria gonorrhoeae e Chlamydia trachomatis, respectivamente).

As enfermidades causam a Cervicite, que é uma infecção do colo do útero. Com isso, surge um corrimento vaginal de aspecto amarelado ou mucopurulento (amarelo turvo). E mais: dor ao urinar e durante o ato sexual; sangramento depois da relação íntima e inflamação na vulva.

  • Tricomoníase – também é uma DST, sendo causada por um protozoário, o Trichomonas vaginalis. A vaginite causada por ele apresenta um corrimento fino e amarelo-esverdeado. Outros sinais da doença são o odor desagradável, dor ao urinar, irritação da vulva e sangramento/dor ao fazer sexo.
  • Vaginose bacteriana – é a maior causa de corrimento vaginal anormal. A infecção é provocada por mudanças na flora natural da vagina. Resultado: diminuição no número de bactérias ‘do bem’ (lactobacillus) e aumento considerável das bactérias ‘ruins’ ou aeróbicas.

Os corrimentos não devem ser ignorados. É através deles que são identificados problemas que podem ter consequências mais graves. Consulte sempre seu médico e mantenha sua saúde em dia.

Até breve com outras dicas!


Compartilhe!
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
História de amor

Acompanhe nossas dicas!